UMA ANÁLISE DESDE O PONTO DE VISTA ECONÔMICO DA LEGISLAÇÃO REFERENTE AO FINANCIAMENTO DA POLÍTICA NO BRASIL

Ana Cláudia Santano

Resumo


Resumo: o sistema do financiamento da política no Brasil sempre foi objeto de intensos debates. No entanto, nos últimos tempos, a atuação paralela dos três poderes da República fez com que algumas mudanças radicais incidissem sobre o modelo, com reflexos diretos já para as próximas eleições de 2016. Com base em uma revisão bibliográfica e utilização de dados, pretende-se, por meio da Análise Econômica do Direito, avaliar tais alterações e a sua capacidade de alcançar os objetivos pelos quais a lei n° 13.165/15 foi aprovada, notadamente o combate à corrupção e o saneamento das finanças dos partidos e de candidatos. Ao avaliar os incentivos e as desvantagens oferecidas pela normativa em vigor, verificou-se que, talvez, a legislação reforce um comportamento utilitário por parte dos agentes políticos, além de se distanciar das práticas políticas já tão enraizadas no Brasil. Ao final, conclui-se que, embora se reconheçam os esforços empreendidos para coibir más condutas no financiamento da política, há indícios de que haverá mais problemas do que os já existentes. 


Palavras-chave


Financiamento da Política; Campanhas Eleitorais; Partidos Políticos; Corrupção; Reforma Política.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEXANDER, Herbert. E. Introduction. In: ALEXANDER, Herbert. E.; SHIRATORI, R. (eds.): Comparative Political Finance Among the Democracies. USA: Westview Press, 1994. p. 1-11.

BACKES, Ana Luiza. Legislação sobre financiamento de partidos e de campanhas eleitorais no Brasil, em perspectiva histórica. 2001. Disponível em: Acesso em 14 Dez. 2015.

BECKER, Gary S. Crime and punishment: An economic approach. The journal of political economy. v. 76, n° 2, mar./apr., 1968. p. 169-217. Disponível em: http://www.soms.ethz.ch/sociology_course/ becker1968. Acesso em 15 Dez. 2015.

BLANCO VALDÉS, Roberto L.: La Bolsa o la Vida - ¿Deben prohibirse las donaciones anónimas a los partidos políticos?. El País. 18 de diciembre de 2005.

BLIACHERIENE, Ana Carla; RIBEIRO, Renato Jorge Brown; FUNARI, Marcos Hime. Governança pública, eficiência e transparência na Administração Pública. Fórum de contratação e gestão pública – FCGP. a. 12, n° 133, jan. 2013.

BURNELL, Peter. Introduction. In: BURNELL, Peter, WARE, Alan. (eds.): Funding Democratization, UK: Manchester University Press, 1998. p. 1-21.

CAMPOS, Anna Maria. Accountability: quando poderemos traduzi-la para o português?. RAP – Revista de Administração Pública. v. 24, n° 2, p. 30-50. fev./abr. 1990.

CASTILLO VERA, Pilar del: La Financiación de Partidos y Candidatos en las Democracias Occidentales. Madrid: CIS Siglo XXI, 1985.

CHACON, Vamireh. História dos Partidos Brasileiros – Discurso e práxis dos seus programas. 2° ed., Brasília: UnB, 1985.

COASE, Ronald H. The problem of social costs. The journal of Law and Economics. v. III, oct., 1960. Disponível em: http://www.econ.ucsb.edu/ ~tedb/Courses/UCSBpf/readings/coase.pdf. Acesso em 15 Dez. 2015.

COELHO, Margarete de Castro. Sobre o envolvimento de instituições judiciais em disputas políticas: o papel da Justiça Eleitoral Brasileira. In: SANTANO, Ana Claudia; SALGADO, Eneida Desiree. Direito eleitoral: Debates Ibero-americanos. Curitiba: Íthala, 2014. p. 15-24.

DINIZ, Maria Helena. Compêndio de introdução à ciência do direito. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 2001.

DONÁRIO, Arlindo. Análise econômica do Direito – probabilidade umbral. Instituto Nacional de Administração. 2010. Disponível em: http://www.universidade-autonoma.pt/upload/galleries/ probabilidade-umbral.pdf. Acesso em 15 Dez. 2015.

DUTRA, Eloy. IBAD – Sigla da corrupção. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira S.A., 1963.

ESPÍNDOLA, Ruy Samuel. O avanço da justiça eleitoral sobre o resultado das urnas. Disponível em < http://www.conjur.com.br/2012-nov-05/ruy-samuel-espindola-avanco-justica-vontade-urnas> Acesso em 10 Dez. 2015.

FIANI, Ronaldo. Teoria dos jogos. 2ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006. p. 35.

FILGUEIRAS, Fernando. Além da transparência: accountability e política de publicidade. Lua Nova. n° 84, p. 65-94. 2011.

FRAZÃO, Carlos Eduardo. A PEC do financiamento empresarial de campanhas eleitorais no divã: a constitucionalidade material à luz da teoria dos diálogos institucionais. Revista Brasileira de Direito Eleitoral – RBDE. a. 7, n. 12, p. 57-69, jan./jun. 2015.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método – II. Tradução de Enio Paulo Giachini. Petrópolis: Vozes, 2002.

GARCÍA VIÑUELA, Enrique. La Regulación del Dinero Público. Revista Española de Investigaciones Sociológicas - REIS, nº 118, p. 65-95. abr./jun. 2007.

GICO JR., Ivo T. Metodologia e epistemologia da análise econômica do direito. Economic analysis of Law review. v. 1, n° 1, p. 7-33. jan./jun., 2010.

GOMES, José Jairo. Direito eleitoral. 10° ed., rev., atual. e ampl. São Paulo: Atlas, 2014.

GRUENBERG, Christian: El Costo de la Democracia: Poder Económico y Partidos Políticos. Buenos Aires: Capital Intelectual, 2007.

HESSE, Konrad. Elementos de direito constitucional da República Federal da Alemanha. Tradução de Luís Afonso Heck. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 1998.

HOROCHOVSKI, Rodrigo Rossi; et al. Redes de Financiamento Eleitoral nas Eleições de 2008 no Litoral do Paraná. Paraná Eleitoral, v. 3, n. 1, p. 103-131. 2014.

http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,gastos-eleitorais-de-2012-superam-r-3-5-bilhoes,966339 Acesso em 15 Dez. 2015.

http://www.ebc.com.br/noticias/brasil/2014/01/um-ano-apos-posse-107-prefeitos-tem-mandato-cassado Acesso em 10 Dez. 2015.

http://www.excelencias.org.br/docs/custo_do_voto.pdf. p. 4. Acesso em 15 Dez. 2015.

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao91.htm Acesso em 14 Dez. 2015.

http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarJurisprudencia.asp?s1=%28%28MS+33630%29%29+NAO+S%2EPRES%2E&base=baseMonocraticas Acesso em 14 Dez. 2015.

http://www.tse.jus.br/eleicoes/eleicoes-anteriores/eleicoes-2014/prestacao-de-contas-eleicoes-2014/coligacao-com-a-forca-do-povo-dilma Acesso em 15 Dez. 2015.

http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/POLITICA/486334-DILMA-SANCIONA-ORCAMENTO-DE-2015-COM-AUMENTO-DO-FUNDO-PARTIDARIO-DE-R$-580-MI.html Acesso em 15 Dez. 2015.

http://www2.camara.leg.br/legin/fed/emecon/1960-1969/emendaconstitucional-14-3-junho-1965-364975-publicacaooriginal-1-pl.html Acesso em 12 Dez. 2015.

http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/88802/CPMIPC.pdf?sequence=4> Acesso em 14 Dez. 2015.

LANCHESTER, Fulco. Introduzione: Il Finanziamento della Politica tra forma de Stato e Vincoli Sistemici. In: LANCHESTER, Fulco. (a cura de): Finanziamento della Politica e Corruzione. Milano: Giuffrè, 2000. p. 1-21.

MARSHALL, T. H. Cidadania, classe social e status. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

MARTÍN DE LA VEGA, Augusto. Los Partidos Políticos y la Constitución de 1978. Libertad de Creación y Organización de los Partidos en la Ley Orgánica 6/2002. Revista Jurídica de Castilla y León, nº extraordinario, p. 201-228. enero, 2004.

MILYO, Jeffrey. The Political Economics of Campaign Finance. The Independent Review. v. III. nº 4, [s.l.] p. 537-547. 1999.

MOTTA, Fabrício. Notas sobre publicidade e transparência na Lei de Responsabilidade Fiscal no Brasil. A&C – Revista de Direito Administrativo e Constitucional. a. 7, n° 30, out./dez., 2007.

NASSMACHER, Karl-Heinz. Comparing Party and Campaign Finance in Western Democracies. In: GUNLICKS, A. B. (ed.): Campaign and Party Finance in North America and Western Europe. USA: Westview Press, 1993. p. 233-267.

NASSMACHER, Karl-Heinz. Introduction: Political Parties, Funding and Democracy. In: AUSTIN, R.; TJERNSTRÖM, M. (eds.): Funding of Political Parties and Election Campaigns. Stockholm: International IDEA, 2003.

NEVES FILHO, Carlos. Propaganda eleitoral e o princípio da liberdade política. Belo Horizonte: Fórum, 2012.

O’DONNELL, Guillermo. Accountability horizontal e novas poliarquias. Lua Nova, n° 44, p. 27-48. 1998.

POSNER, Richard A. Values and consequences: an introduction to economic analysis of Law. Disponível em: http://www.law.uchicago.edu/files/files/53.Posner. Values_0.pdf. Acesso em 15 Dez. 2015.

PUTNAM, Robert. Making Democracy Work. USA: Princeton University Press, 1994.

RODRIGUES, João Gaspar. Publicidade, transparência e abertura na Administração Pública. RDA – Revista de Direito Administrativo. v. 266, p. 89-123. mai./ago., 2014.

ROSE-ACKERMAN, Susan. Political Corruption and Democratic Structures. In: JAIN, A. K. (ed.): The Political Economy of Corruption. NY: Routledge, 2001. p. 35-62.

SÁNCHEZ MUÑOZ, Óscar: La Igualdad de Oportunidades en las Competiciones Electorales. Madrid: CEPC, 2007.

SANTANO, Ana Claudia. O financiamento da política – teoria geral e experiências do Direito Comparado. Curitiba: Íthala, 2014.

_____. A proibição das pessoas jurídicas em doar recursos econômicos para as campanhas eleitorais brasileiras: certo ou errado?. In: SANTANO, Ana Claudia; SALGADO, Eneida Desiree. Direito Eleitoral – debates ibero-americanos. Memórias do V Congresso Ibero-americano de Direito Eleitoral e do IV Congresso de Ciência Política e Direito Eleitoral do Piauí. Curitiba: Íthala, 2014. p. 363-382.

SOLER SÁNCHEZ, M.: Campañas Electorales y Democracia en España. Valencia: Universitat Jaime, [s.l.], 2001.

SOUZA, Cíntia Pinheiro Ribeiro de. A evolução da regulação do financiamento de campanhas no Brasil (1945-2006). Resenha Eleitoral. n° 3, jan./jun. 2013. Disponível em: < https://www.tre-sc.jus.br/site/resenha-eleitoral/edicoes/n-3-janjun-2013/integra/2013/06/a-evolucao-da-regulacao-do-financiamento-de-campanha-no-brasil-1945-2006/indexb7dc.html?no_cache=1&cHash=9e86778cb4f0a1ef62855dfd15e012f4> Acesso em 14 Dez. 2015.

SPECK, Bruno Wilhelm. Reagir a escândalos ou perseguir ideais? A regulação do financiamento político no Brasil. Cadernos Adenauer, VI, nº 2. Rio de Janeiro: Fundação KAS, 2005, p. 123-159. Disponível em: < http://www.kas.de/wf/doc/9796-1442-5-30.pdf> Acesso em 12 Dez. 2015.

WEBER, Max: Economía y Sociedad I: Teoría de la Organización Social. México: Fondo de Cultura Económica, 1944.

_____. A Política como Vocação. In: WEBER, Max. Ciência e Política, Duas Vocações. São Paulo: Editora Cultrix, 1996. p. 53-124.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Direito Público

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.
Associada e indexada à