ONLINE DISPUTE RESOLUTION (ODR) COMO FERRAMENTA DE ACESSO À JUSTIÇA E MUDANÇA NA GESTÃO DE CONFLITOS NO BRASIL ATRAVÉS DA MEDIAÇÃO ONLINE

Deise Brião Ferraz, Simone de Biazzi Avila Batista da Silveira

Resumo


O presente estudo teve por objetivo investigar se a Online Dispute Resolution (ODR) enquanto espécie do gênero Alternative Dispute Resolution (ADR), a partir de sua vertente – a mediação online, poderia ser uma ferramenta de acesso à Justiça e mudança na gestão de conflitos no Brasil. Note-se que se tratou de um estudo preliminar que não pretendeu esgotar o tema ou apresentar uma conclusão finalística, considerando as limitações de um artigo e o ineditismo do tema. O método de abordagem empregado foi o indutivo. Tratou-se, ainda, de pesquisa exploratória combinada com pesquisa descritiva que tem por finalidade desenvolver o tema ainda pouco explorado. As conclusões preliminares apontaram que, partindo-se do modelo tradicional de mediação baseada no diálogo, na promoção da cidadania e da alteridade, as plataformas não oferecem subsídio para o tratamento de qualquer tipo de conflito, sobretudo se mostram mais avessas aos conflitos familiares, que requerem o contato pessoal, pautado no diálogo na sensibilidade e no acolhimento. Restou clara a necessidade de se pensar em ODR a partir do Brasil e suas peculiaridades e construir um arcabouço contextualizado para sua implementação no país, sem que apenas se transplante para cá os moldes praticados em outras partes do mundo.


Palavras-chave


Mediação de conflitos. Mediação online. Online Dispute Resolution. Alternative Dispute Resolution. Métodos Autocompositivos de Resolução de Conflitos.

Referências


ÀLVAREZ, Gladys Stella. Los métodos alternativos de solución de conflictos en los procesos judiciales: experiencias argentinas. In: Centro de Estudios de Justicia de las Americas, 2003. Disponível em < http://biblioteca.cejamericas.org/bitstream/handle/2015/4085/arg_marc_alvarez.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em 20 jul. 2018.

AMARAL, Márcia Terezinha Gomes. O direito de Acesso à Justiça e a Mediação. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.

AMORIM, Fernando Sérgio Tenório. A resolução online de litígios (ODR) de baixa intensidade: perspectivas para a ordem jurídica brasileira. In: Revista Pensar, Fortaleza, v. 22, n. 2, p. 514-539, mai/ago 2017. Disponível em . Acesso em 20 mai. 2018.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

______. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

BATISTOTI, Vitória. Empreendedoras criam primeira plataforma online de mediação de conflitos no Brasil. Pequenas Empresas & Grandes Negócios, São Paulo, 30 ago. 2017. Disponível em . Acesso em 19 mai. 2018.

BOBBIO, Norberto. MATTEUCCI, Nicola. PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política. Tradução de Carmen C. Varriale et al. 12ª ed. Brasília: Universidade de Brasília, 2004.

BOLZAN DE MORAIS, José Luis. SILVEIRA, Anarita Araújo da. Outras formas de dizer o Direito. In: WARAT, Luis Alberto (Org.). Em nome do acordo: a mediação no Direito. Florianópolis: EModara, 2018, p. 71-97.

BREITMAN, Stella. PORTO, Alice Costa. Mediação familiar: uma intervenção em busca da paz. Porto Alegre: Criação Humana, 2001.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. Emenda 2, de 8 de março de 2016. Altera e acrescenta artigos e os Anexos I e III da Resolução 125, de 29 de novembro de 2010. Disponível em . Acesso em 20 mai. 2018

______. Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015. Código de Processo Civil. Disponível em . Acesso em 20 mai. 2018.

______. Lei nº 13.140, de 26 de junho de 2015. Disponível em . Acesso em 20 mai. 2018.

BUSH, Robert Baruch. FOLGER, Joseph P. The promise of mediation: responding to conflict through empowerment and recognition. São Francisco: Jossey-Bass, 1994.

CAPPELLETTI, Mauro. GARTH, Bryant. Acesso à Justiça. Traduzido por Ellen Gracie Northfleet. Porto Alegre: Fabris Editor, 1988.

CEBOLA, Cátia Marques. ADR 3.0 @ Resolução Online de Conflitos de Consumo em Portugal. In: Revista Luso-Brasileira de Direito do Consumo, v. 5, n. 22, jun. 2016. Disponível em < https://www.academia.edu/26511917/ADR_3.0_at_Resolu%C3%A7%C3%A3o_Online_de_Conflitos_de_Consumo_em_Portugal>. Acesso em 4 jul. 2018.

FOLGER, Joseph. P.; BUSH, Robert. A. Baruch. Mediação transformativa e intervenção de terceiros: as marcas registradas de um profissional transformador. In: SCHNITMAN, D. F.; LITTLEJOHN, S. (Orgs). Novos paradigmas em mediação. Porto Alegre: Artmed, 1999. p. 85-100.

GARAPON, Antoine. Bem julgar: ensaio sobre o ritual judiciário. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

GERGEN, Kenneth J. Rumo a um vocabulário do diálogo transformador. In: SCHINTMAN, Dora Fried. LITTLEJOHN, Stephen. (Org.). Novos paradigmas em Mediação. Tradução de Jussara Haubert Rodrigues e Marcos A. G. Domingues. Taos Institute Publications: Ohio, USA, 1999, p. 29-45.

GOODMAN, Joseph W. The Pros and Cons of Online Dispute Resolution: An Assessment of Cyber-Mediation Websites. In: Duke Law & Technology Review, v. 2, n. 1, 2003. Disponível em . Acesso em 21 mai. 2018.

GRANAT, Richard S. Online Mediation. In: DISPUTE RESOLUTION CONFERENCE, 1996, Washington D.C. Disponível em: . Acesso em 04 jul. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – PNAD, 2016. Disponível em < ftp://ftp.ibge.gov.br/Trabalho_e_Rendimento/Pesquisa_Nacional_por_Amostra_de_Domicilios_continua/Anual/Acesso_Internet_Televisao_e_Posse_Telefone_Movel_2016/Analise_dos_Resultados.pdf>. Acesso em 4 jun. 2018.

KATSH, Ethan. ODR: a look at history. In: WAHAB, Mohamed S. Abdel; KATSH, Ethan; RAINEY, Daniel (Ed.). Online dispute resolution: theory and practice. A treatise on technology and dispute resolution. The Hague: Eleven International, 2012. Disponível em < https://www.mediate.com/pdf/katsh.pdf>. Acesso em 4 jul. 2018.

LIMA, Gabriela Vasconcelos. FEITOSA, Gustavo Raposo Pereira. Online dispute resolution (ODR): a solução de conflitos e as novas tecnologias. In: Revista do Direito, Santa Cruz do Sul, v. 3, n. 50, p. 53-70, set. 2016. Disponível em: . Acesso em 21 mai. 2018.

MANIA, Karolina. Online dispute resolution: the future of justice. In: International Comparative Jurisprudence, v.1, n.1, nov. 2015, p. 76-86. Disponível em < https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2351667415000074>. Acesso em 4 jun. 2018.

MARODIN, Marilene. BREITMAN, Stella. A prática moderna da mediação: integração entre psicologia e direito. In: ZIMERMAN, David. COLTRO, Antonio Carlos Mathias (Orgs.) Aspectos Psicológicos na Prática Jurídica. Campinas: Milennium, 2008.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Tradução de Maria D. Alexandre e Maria Alice Sampaio Dória. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

MIGALHAS. Mediação auxilia empresas a reduzir custo e tempo na solução de conflitos, 17 mai. 2018. Disponível em . Acesso em 19 mai. 2018.

MUNIZ, Mariana. CNJ lança sistema de mediação online para conflitos bancários na área do consumidor. Jota Info, São Paulo, 04 ago. 2016. Disponível em < https://www.jota.info/consenso/conflitos-bancarios-ganham-espaco-para-mediacao-online-04082016>. Acesso em 19 mai. 2018.

MUSKAT, Malvina Ester. Guia prático de mediação de conflitos. 2ª ed. rev. São Paulo: Summus, 2008.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Os tribunais e as novas tecnologias de comunicação e informação. In: Revista Sociologias, Porto Alegre, n. 13, p. 82-109, jan./jun. 2005.

SANTOS, Ricardo Soares Stersi dos. Arbitragem e acesso à Justiça. In: Revista Sequência, n. 53, p. 253-268, dez. 2006. Disponível em < https://periodicos.ufsc.br/index.php/sequencia/article/view/15104>. Acesso em 20 jul. 2018.

______. MAGALHÃES, Juliana N. Considerações sobre o ensino dos meios alternativos de resolução de conflitos em Santa Catarina. In: KNOERR, Fernando Gustavo. NEVES, Rubia Carneiro. CRUZ, Luana Pedrosa de Figueiredo. Justiça e o paradigma da eficiência na contemporaneidade [Recurso eletrônico on-line]. Florianópolis: FUNJAB, 2013. Disponível em < http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=50de294b9d4987a3>. Acesso em 20 jul. 2018.

SPENGLER, Fabiana Marion. Mediação: um retrospecto histórico, conceitual e teórico. In: ______. SPENGLER NETO, Theobaldo (Org). Mediação enquanto política pública: a teoria, a prática e o projeto de lei. 1ª ed. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2010, p. 17-57.

START-UP. In: Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Disponível em . Acesso em 19 mai. 2018.

SZLAK, Gabriela R. Online Dispute Resolution in Latin America: Challenges and opportunities. In: WAHAB, Mohamed S. Abdel; KATSH, Ethan; RAINEY, Daniel (Ed.). Online dispute resolution: theory and practice. A treatise on technology and dispute resolution. The Hague: Eleven International, 2012.

WARAT, Luis Alberto. A Rua grita Dionísio! DIREITOS HUMANOS DA ALTERIDADE, SURREALISMO E CARTOGRAFIA. Tradução e organização: Vivian Alves de Assis, Júlio Cesar Marcellino Jr. e Alexandre Morais da Rosa. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

______. Ecologia, Psicanálise e Mediação. Tradução de Julieta Rodrigues. In WARAT, Carlos Alberto. (Org.) Em nome do acordo: a mediação no Direito. Florianópolis: EModara, 2018, p. 17-62.

WATANABE, Kazuo. Acesso à Justiça e Sociedade Moderna. In: Caderno de Administração da Justiça – Planejamento Estratégico 2009. Porto Alegre: TRF – 4ª Região, 2009.

YARN, Douglas H. Dictionary of conflict resolution. São Francisco: Jossey-Bass Inc., 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Direito Público

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.
Associada e indexada à