Refundação do Estado Desenvolvimentista: Dilemas entre desindustrialização e o setor saúde

Dorival Fagundes Cotrim Junior, Lucas Manoel da Silva Cabral, João Daniel Daibes Resque, Felipe Dutra Asensi

Resumo


Este artigo, construído a partir de uma metodologia histórico-estruturalista, apresenta os fatores que levaram ao processo de desindustrialização nacional, a partir de 1985, com ênfase no neoliberalismo. Em seguida, realiza uma reflexão sobre a necessidade de reindustrialização do país, explicitada pela pandemia de COVID-19, em especial no setor de saúde (com afetações na área de ciência, tecnologia e inovação) e que se materializa na falta de sustentabilidade soberana na produção de bens utilizados no combate à pandemia, como máscaras, respiradores, medicamentos e testes. Por estes fatores torna-se necessário, com base em toda a discussão fático-empírica, bem como a partir da mobilização da filosofia política republicana, operar a refundação do estado desenvolvimentista sob a orientação de quatro grandes direitos: direito à vida, ao bem estar, ao desenvolvimento e à soberania.


Palavras-chave


industrialização; desindustrialização; neoliberalismo; COVID-19; setor saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMAGRO-CASTRO, David. ¿Juicio legítimo o golpe de Estado encubierto? El impeachment a la Presidenta de la República Federal de Brasil, Dilma Rousseff. Rev. Derecho Estado, Bogotá, n. 42, p. 25-50, Abril de 2019.

ALVARENGA, A. A. Desafios do Estado Brasileiro frente à pandemia pela COVID-19: O caso da paradiplomacia maranhense. Scielo Preprints, 2020. Disponível em: https://preprints.scielo.org/index.php/scielo/preprint/view/738. Acesso em 15 set. 2020.

ANDERSON, P. Balanço do Neoliberalismo. In SADER, Emir & GENTILI, Pablo (orgs.). Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995, p. 9-23.

ANDRADE, Magali Alves de. A desindustrialização da economia brasileira: uma análise por período de governo (1990 – 2010)/ Magali Alves de Andrade. Salvador, 2013.

BASTOS, Pedro Paulo Zahluth. Ascensão e Crise do Governo Dilma Rousseff e o Golpe de 2016: Poder Estrutural, Contradição e Ideologia. Rev. econ. contemp., Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, e172129, Agosto de 2017.

BATISTA, Paulo N. O Consenso de Washington – A visão neoliberal dos problemas latino-americanos. 1994.

BERTOLOZZI, Maria Rita; GRECO, Rosangela Maria. As políticas de saúde no Brasil: reconstrução histórica e perspectivas atuais. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 380-398, Dec. 1996.

BIELSCHOWSKY, R. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. Rio de janeiro: IPEA/INPES, 1988.

BIERSTEKER, Thomas J. The "triumph"of liberal economic ideias. In: Stallings, Barbara (org.). Global change, regional response. Cambridge, Cambridge University Press, p. 174-196, 1995.

BOBBIO, N. A Era dos Direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

BROWN, W. Undoing the Demos: Neoliberalism’s Stealth Revolution. New York: Zone Books, 2015.

CAHIL, D; et al. The SAGE handbook of neoliberalism. New York: Routledge, 2018.

CANO, Wilson. (Des)Industrialização e (Sub)Desenvolvimento. Cadernos do Desenvolvimento, v. 9, p. 139-174, 2014.

CANO, Wilson. A Desindustrialização no Brasil. Economia e Sociedade (UNICAMP. Impresso), v. 21, p. 831-851, 2012.

CANO, Wilson. Desindustrialização no Brasil é real e estrutural. 2011 (Entrevista). CEDE – Desenvolvimento Econômico, UNICAMP.

COHN, A. Mudanças econômicas e políticas de saúde no Brasil. In: LAURELL, A. C. (org.). Estado e políticas sociais no neoliberalismo. São Paulo, Cortez, 1995. p. 225-44.

DOMINGUES, José M. Crise da república e possibilidades de futuro. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 6, p. 1747-1758, Junho 2017.

DÓRIA, R. M. et al. Indicadores secundários do Complexo Industrial da Saúde. In: HASENCLEVER, Lia et al. Desafios de operação e desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde. Rio de Janeiro: E-papers, 2016.

DZHANOVA, Yelena. Trump compelled these companies to make critical supplies, but most of them were already doing it, CNBC, APR 3 2020. Disponível em https://www.cnbc.com/2020/04/03/coronavirus-trump-used-defense-production-act-on-these-companies-so-far.html.

ESPINOSA MIÑOSO, Yuderkys. “Etnocentrismo y colonialidad en los feminismos latinoamericanos: complicidades y consolidación de las hegemonías feministas en el espacio transnacional”. In: ESPINOSA MIÑOSO, Yuderkys; GÓMEZ CORREAL, Diana Ochoa; MUÑOZ, Karina (ed.). Tejiendo de otro modo: Feminismo, epistemología y apuestas descoloniales en Abya Yala. Popayán: Editorial Universidad del Cauca, 2014. p. 309-324.

FARIA, Janaína Elisa Patti de, 1985- Imperialismo e Sistema Internacional de Propriedade Intelectual: implicações pós-TRIPS para o Brasil, para a indústria farmacêutica local e os novos rumos anticontrafração / Janaína Elisa Patti de Faria. - Campinas, SP.: [s.n.], 2012.

FIORI, J. L. História, estratégia e desenvolvimento: para uma geopolítica do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2014.

FIORI, J. L.; KORNIS, G. E. M. Além da queda: economia e política numa década enviesada. In: GUIMARÃES, R.; TAVARES,R. (org.). Saúde e sociedade no Brasil - anos 80. Rio de Janeiro, Relume do Mará, 1994. p. 1-42.

FONSECA, Pedro Cezar D. Gênese e precursores do desenvolvimentismo no Brasil. Revista Pesquisa & Debate, São Paulo, v. 15, n. 2 (26), p. 225-256, 2004.

FUKUYAMA, F. O fim da História e o último homem. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

FURTADO, C. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1961.

GADELHA, C. A. G. O Complexo Econômico-Industrial da Saúde no Brasil hoje. Debate. Jornal Nexo. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/ensaio/debate/2020/O-Complexo-Econ%C3%B4mico-Industrial-da-Sa%C3%BAde-no-Brasil-hoje. Acesso em 11 jun. 2020

GADELHA, C. A. G.; et al. A Dinâmica do Sistema Produtivo da Saúde Inovação e Complexo Econômico-Industrial.1. ed. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2012.

GADELHA, C. A. G.; et al. Access to vaccines in Brazil and the global dynamics of the Health Economic-Industrial Complex. Cadernos de Saude Publica, v. 36, p. 1-17, 2020.

GADELHA, C; TEMPORÃO, J.G. Health Economic-Industrial Complex (HEIC) and a New Public Health Perspective. Oxford Research Encyclopedia of Global Public Health. 6ed. Washington: Oxford University Press, 2019, v. 1, p. 1-27.

GUIMARÃES, J R; SANTOS, R T dos. Em busca do tempo perdido: anotações sobre os determinantes políticos da crise do SUS. Revista Saúde em Debate. Rio de Janeiro, v. 43 n. especial 8, p. 219-233, Dez. 2019.

HAYEK, F A. Law, Legislation and Liberty. The Mirage of Social Justice. London: Routledge & Kegan Paul, 1976.

HERRERO, M; THORNTO, P. What can COVID-19 teach us about responding to climate change? www.thelancet.com/planetary-health Vol 4 May 2020.

IEDI. Carta IEDI, Edição 995. Reconversão industrial em resposta à pandemia da Covid-19. Publicado em 08 mai. 2020. Disponível em: https://iedi.org.br/cartas/carta_iedi_n_995.html.

KEYNES, J. M. The General Theory of Employment, Interest and Money. Royal Economic Society, 1973.

KORNIS, G. E. M. et al. Os marcos legais das políticas de medicamentos no Brasil contemporâneo (1990-2006). Rev. APS. Juiz de Fora, v. 11, n. 1, p. 85-99, mar. 2008.

LAURELL, A. C. (org.). Estado e políticas sociais no neoliberalismo. São Paulo, Cortez, 1995.

MANZANEDO, RD; MANNING, P. COVID-19: Lessons for the climate change emergency Science of the Total Environment 742 (2020) 140563.

MAQUIAVEL, N. Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio. Martins Fontes, 2007.

MARQUETTI, Adalmir A. Progresso técnico, distribuição e crescimento na economia brasileira: 1955-1998. Estudos Econômicos (São Paulo. Impresso), v. 32, n.1, p. 103-124, 2002.

MARSHALL, T.H. Cidadania, Classe Social e Status. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

MIROWSKI, P; PLEHWE, D (editores). The Road from Mont-Pèlerin: The Making of The Neoliberal Thought Colective. Cambridge: Havard University Press, 2009.

MITIDIERI, T. L. et al. Há espaços competitivos para a indústria farmoquímica brasileira? Reflexões e propostas para políticas públicas. Complexo Industrial da Saúde. BNDES Setorial. Rio de Janeiro, v. 41, p. 1-36, 2015.

OREIRO, José L.; FEIJO, Carmem A.. Desindustrialização: conceituação, causas, efeitos e o caso brasileiro. Rev. Econ. Polit., São Paulo, v. 30, n. 2, p. 219-232, Junho 2010.

PAULA, A. C. ; MALDONADO, J. ; GADELHA, C. A. G. . Healthcare telemonitoring and business dynamics: challenges and opportunities for SUS. REVISTA DE SAÚDE PÚBLICA (ONLINE), v. 54, p. 65, 2020.

POLANYI, K. A grande transformação: as origens de nossa época. 2.ed. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

REZENDE, K. S. Produção: a corda bamba entre o mercado e as necessidades de saúde pública. Uso Racional de Medicamentos: fundamentação em condutas terapêuticas e nos macroprocessos da Assistência Farmacêutica. Série OPAS/OMS. Brasília, v. 1, n. 4, mar. 2016.

RODRIGUES, P. H. A.; COSTA, R. D. F.; KISS, C. A evolução recente da indústria farmacêutica brasileira nos limites da subordinação econômica. Physis, v. 28, n. 1, p. e280104, 2018.

SALLUM JR, Brasilio. O Brasil sob Cardoso: neoliberalismo e desenvolvimentismo. Tempo soc., São Paulo, v. 11, n. 2, p. 23-47, Oct. 1999.

SANTOS, Artur T. Abertura comercial na década de 1990 e os impactos na indústria automobilística. Fronteira (PUCMG), v. 8, p. 107-129, 2009.

SENNETT, R. A Corrosão do Caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro, Record, 1999.

SIOP, Sistema Integrado de Planejamento e Orçamento. Painel de Orçamento. Disponível em: https://www.siop.planejamento.gov.br/modulo/login/index.html#/

SPRING, S; BIRSCH, K; MACLEAVY, J. The handbook of neoliberalism. New York: Routledge, 2016.

TAVARES, M. da C. “Império, Território e Dinheiro”. In: FIORI, J. L. (org.). Estado e Moeda no desenvolvimento das nações. Petrópolis: Vozes, 1999, p. 449-489.

THIRWALL, Anthony. The Nature of Economic Growth. Edward Elgar: Aldershot, 2002.

TREGENNA, Fiona. "Characterizing deindustrialization: an analysis of changes in manufacturing employment and output internationally". Cambridge Journal of Economics, Vol. 33, 2009.

VIEIRA, F.S. Evolução do gasto com medicamentos do Sistema Único de Saúde do período 2010 a 2016. Brasília (DF): IPEA; 2017. (Texto para Discussão, 2356).

WATTS, N et al. The Lancet Countdown on Health and Climate Change: From 25 Years of Inaction to a Global Transformation for Public Health. Lancet. 2018 Feb 10;391(10120):581-630. doi: 10.1016/S0140-6736(17)32464-9. Epub 2017 Oct 30.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Direito Público

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.
Associada e indexada à