SER JUIZ OU SER GESTOR - PERCEPÇÕES E PRÁTICAS DE GESTÃO JUDICIÁRIA NA MAGISTRATURA ESTADUAL, FEDERAL E DO TRABALHO NO ESTADO DE SÃO PAULO

Paulo Eduardo Alves da Silva, Paulo Ricardo Arena Filho

Resumo


Desde a transição para século XXI, sistemas de justiça de diferentes países têm investido na incorporação de instrumentos, técnicas e de uma racionalidade da gestão de serviços para organizar a sua atividade ordinária de tutela de direitos e promoção de justiça. Essas políticas envolvem uma delicada relação entre a gestão e o acesso à justiça e pressupõe esclarecimento de questões sobre o o papel que se espera de um juiz e de uma juíza diante do perfil e do volume da litigância judicial típicos de sociedades contemporâneas. Este artigo sistematiza os principais dados coletados em levantamento sobre apercepção e comportamentos dosmagistradosdiante da premência de incorporar mecanismos de gestão em suas atividades ordinárias. Os dados apontam para uma ampliação do uso de técnicas de gestão, acompanhada de uma segmentação da percepção quanto ao seu potencial como política judiciária. 


Palavras-chave


Acesso à justiça. Gestão da Justiça. Sistema de Justiça. Profissões jurídicas. Juiz. Pesquisas de percepção

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES DA SILVA, P.E. (coord.) Análise da Gestão e Funcionamento dos Cartórios Judiciais (relatório de pesquisa). Brasília: Ministério da Justiça, 2007.

_______. Gerenciamento de processos judiciais. São Paulo: Saraiva, 2010.

BARNARD, Chester I. Barnard. As funções do executivo. São Paulo: Atlas, 1971.

BERTALANFFY, Ludwig von. Teoria geral dos sistemas. Fundamentos, desenvolvimento e aplicações. 8 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Emenda Constitucional nº 45, de 08 de dezembro de 2004. Disponível em: . Acesso em: 6 jul. 2018.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Resolução nº 198, de 1 de julho de 2014. Brasília, DF, 2014. Disponível em: Acesso em: 6 jul. 2018.

_________. Pesquisa justiça em números. Brasília, DF, 2018. Disponível em: . Acesso em: 17 set. 2018.

FALCÃO, Joaquim. Estratégias para a reforma do Judiciário. In.: RENAULT, Sérgio Rabello Tamm; BOTTINI, Pierpaolo (Org.). Reforma do judiciário. São Paulo: Saraiva, 2005.

FAYOL, Henri. Administração Industrial e Geral. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GEORGE JR, Claude S. História do pensamento administrativo. São Paulo: Cultrix, 1974.

HAMPTON, David R. Administração contemporânea. 2. ed. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1983.

JUCIUS, Michel J.; SCHLENDER, William E. Introdução à administração. elementos da ação administrativa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1972.

MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da administração. 3. ed. São Paulo: Thomson Learning, 2006.

MOTTA, Paulo Roberto. Gestão contemporânea: a ciência e a arte de ser dirigente. 13. ed. Rio de Janeiro: Record, 2002.

OLIVEIRA, Jayr Figueiredo de; SILVA, Edison Aurélio da. Gestão organizacional: descobrindo uma chave de sucesso para os negócios. São Paulo: Saraiva, 2006.

SADEK, Maria Tereza. Acesso à justiça: um direito e seus obstáculos. Revista da Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, n. 101, p. 55-66, mar./abr. 2014. Disponível em: . Acesso em: 1 jul. 2018.

WEBER, Max. Economia e sociedade. 4. ed. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Direito Público

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.
Associada e indexada à