A FRAGILIDADE DO DIREITO: AS LUTAS POR DIREITOS E O MECANISMO IMUNITÁRIO DA SOBERANIA

Roan Costa Cordeiro, Thais Pinhata de Souza, Angela Couto Machado Fonseca

Resumo


A luta por direitos tem abalado as categorias e conceitos que articulam o nexo entre política e direito. Não obstante, o sentido desse fenômeno permanece pouco explorado para além do exercício do poder soberano, que continua a limitar os horizontes do pensamento jurídico. Diante disso, este artigo tem por objetivo questionar a rede de significações que tem delimitado o papel do direito nos embates entre as ações divergentes e o discurso da soberania. Na primeira parte deste texto, destaca-se a pertinência de se indagar as operações conceituais mobilizadas pelo pensamento jurídico à luz de uma investigação crítico-filosófica do presente. Para tanto, dialoga-se ao longo deste trabalho com Hannah Arendt, Giorgio Agamben, Roberto Esposito e Iris Marion Young. Na segunda parte, considera-se que a ação possui uma gramática própria que, baseada na pluralidade, opera em curto-circuito com o discurso (imunitário) da soberania. Na terceira parte, de acordo com tal discurso, nota-se que o direito se institui como resposta imunitária que, fazendo-se valer da lógica da identidade, permite modular conflitos políticos e sociais, bem como produzir identidades e diferenças, exclusão e inclusão, afirmação e negação. Em confronto com os limites desse mecanismo jurídico, verifica-se que as lutas por direito podem revelar o momento fundacional do direito, enquanto artifício humano, no campo de forças entre estabilidade e fragilidade das coisas humanas. Portanto, convém ao pensamento político-jurídico o exercício crítico de questionar seus limites e bases, tendo em vista que novas fundações são possíveis.


Palavras-chave


Luta por direitos; soberania; ação; imunidade; identidade

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer: o poder soberano e a vida nua I. 2. ed. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

______. O uso dos corpos: Homo sacer, IV, 2. Trad. Selvino Assmann. São Paulo: Boitempo, 2017.

______. Signatura rerum: sul metodo. Milano: Bollati Boringhieri, 2008.

ANGIONI, Lucas. As noções aristotélicas de substância e essência. Campinas: Editora da UNICAMP, 2008.

______. Introdução à teoria da predicação em Aristóteles. Campinas: Editora da UNICAMP, 2006.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Trad. R. Raposo. Rev. técn. Adriano Correia. 13. ed. rev. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2016.

______. Compreender: formação, exílio e totalitarismo. Trad. Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

______. Entre o passado e o futuro. 8. ed. Trad. Mauro W. Barbosa. 8. ed. São Paulo: Perspectiva, 2016b.

______. Origens do totalitarismo: antissemitismo, imperialismo, totalitarismo. 3. reimpr. Trad. Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

______. Sobre a revolução. Apres. Jonathan Shell. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

ARISTÓTELES. As categorias . Org. e trad. Fernando Coelho. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2014.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Trad. Fernanda Siqueira Miguens. Rev. Técn. Carla Rodrigues. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CAVARERO, A. Vozes plurais: filosofia da expressão vocal. Trad. Flavio Terrigno Barbeitas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

COSTA, Flávia. Entrevista com Giorgio Agamben. Revista do Departamento de Psicologia. UFF, Niterói, v. 18, n. 1, p. 131-136, jun. 2006. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2019.

CHUEIRI, Vera Karam de; GODOY, Miguel Gualano. Constitucionalismo e democracia - soberania e poder constituinte. Revista Direito GV, [S.l.], v. 6, n. 1, p. 159-174, jan. 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2020.

CESARE, Donatella di. Vírus soberano? A asfixia capitalista. Milão/Belo Horizonte: Editora Ayiné, 2020.

DETIENNE, Marcel. Identidade nacional, um enigma. Trad. Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

DUARTE, André. Hannah Arendt e o pensamento político: a arte de distinguir e relacionar conceitos. Argumentos, v. 5, n. 9, p. 39-62, jan/mar 2013. Disponível em: . Acesso em: 27 set. 2019.

ESPOSITO, Roberto. Biopolitica e immunità nella costruzione sociale dell’identità. Narrare i gruppi, [s.l.], v. 3, n. 1, p. 1-10 mar. 2008. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2020.

______. Bíos: biopolítica e filosofia. Trad. Wander Melo Miranda. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2017.

______. Dois: a máquina da teologia política e o lugar do pensamento. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2019.

______. Immunitas: protección y negación de la vida. Trad. Luciano Padilla Lopez: Buenos Aires: Amorrortu, 2009.

______. Termos da política: comunidade, imunidade, biopolítica. Introd. Timothy Campbell. Curitiba: Ed. UFPR, 2017.

______. Pensiero istituente: tre paradgimi di ontologia politica. Torino: Giulio Einaudi Editore, 2020.

JARDIM, Eduardo. Hannah Arendt: pensadora da crise e de um novo início. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

OFFICE of the High Commissioner for Human Rights - United Nations (OHCHR - UN). Concept of a minority: mandate definition, 2019. Página Secundária. Disponível em: . Acesso em 10 out. 2020.

PASOLINI, Pier Paolo. Escritos corsários. Trad. Maria Betânia Amoroso. São Paulo: Editora 34, 2020.

PETRUCCIANI, Stefano. Modelli di filosofia politica. Milano: Giulio Eiunaudi Editore, 2003.

QUINALHA, Renan. Desafios para a comunidade e o movimento LGBT no governo Bolsonaro. In: ABRANCHES, Sergio et al. Democracia em risco? 22 ensaios sobre o Brasil hoje. São Paulo: Companhia das Letras, 2019, p. 208-221.

SCHWARCZ, Lilia. Maiorias minorizadas: a democracia no Brasil como ‘mal-entendido’. Nexo Jornal, 08 de set. de 2020. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2020.

YOUNG, Iris Marion. Inclusion and Democracy. Oxford/New York: Oxford University Press, 2002.

______. Justice and the Politics of Difference. Princeton: Princeton University Press, 1990.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Direito Público

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.
Associada e indexada à